Atividade com estudantes da Escola Municipal Anísio Teixeira, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro

Tubos contendo mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia adultos prontos para a liberação

As armadilhas de mosquito possibilitam o monitoramento da população de Aedes aegypti com Wolbachia em uma determinada localidade

Membros do Comitê Comunitário de Jurujuba em visita ao insetário da Fiocruz 

Eliminar a Dengue: Desafio Brasil

Eliminar a Dengue: Desafio Brasil amplia área de atuação no Rio de Janeiro

O Eliminar a Dengue: Desafio Brasil está em expansão na cidade do Rio de Janeiro. Dez bairros da Ilha do Governador serão atendidos na etapa inicial da expansão e, na sequência, toda a região será coberta. Após o trabalho na Ilha, as ações do projeto chegarão a outras regiões da cidade do Rio de Janeiro, nas zonas norte e sul. A liberação de mosquitos Aedes Aegypti com Wolbachia no município será encerrada até o final de 2018 e, ao término do processo, a expectativa é que as áreas beneficiadas pelo  Eliminar a Dengue: Desafio Brasil reúnam cerca de 2,5 milhões habitantes.

A primeira liberação de mosquitos em larga escala foi realizada em Niterói, na Região Oceânica, ainda no primeiro semestre de 2017. Nos meses seguintes, o projeto se estendeu para a região das Praias de Baía.

As liberações de mosquito começaram em 2014, em duas áreas piloto: Tubiacanga, na Ilha do Governador, e Jurujuba, em Niterói. O Eliminar a Dengue: Desafio Brasil iniciou os estudos no Brasil em 2012.

O projeto

Trazido ao país pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e apoiado pelo Ministério da Saúde, o projeto ‘Eliminar a Dengue: Desafio Brasil’ é uma iniciativa internacional sem fins lucrativos que estuda uma abordagem inovadora para reduzir a transmissão do vírus da dengue pelo mosquito Aedes aegypti de forma segura, natural e autossustentável.

O projeto propõe o uso de uma bactéria que existe naturalmente em mais de 60% dos insetos, chamada Wolbachia. Quando inserida no Aedes aegypti, ela é capaz de reduzir a transmissão da dengue, Zika e chikungunya pelo mosquito. Esta característica foi descoberta por pesquisadores do programa internacional 'Eliminar a Dengue: Nosso Desafio' com a participação do pesquisador da Fiocruz Luciano Moreira, que lidera o projeto no Brasil.

O programa ‘Eliminar a Dengue’ é uma estratégia de longo prazo que, se for bem sucedida, poderá beneficiar um número estimado de 2,5 bilhões de pessoas – ou seja, dois quintos da população mundial que, atualmente, vivem em áreas de transmissão da doença. O método poderá reduzir de forma significativa a dependência em relação às estratégias convencionais de controle do mosquito, como o uso de inseticidas, e será totalmente compatível com uma vacina, uma vez desenvolvida.

Confira o desenho animado que resume as atividades do programa internacional 'Eliminar a Dengue: Nosso Desafio':

 

Menu